Pós-graduação nos EUA: saiba se deve tentar e por quê

Se você está lendo isto, muito provavelmente já decidiu ou está considerando seriamente a hipótese de fazer uma pós-graduação no exterior. Mas, além de fazer turismo barato, aproveitar festas bombásticas e ficar rico, você já pensou na sua real motivação para entrar no meio acadêmico em outro país? Será que você realmente pode tentar? E por que deveria?

Por que uma pós-graduação?

A primeira coisa a se perguntar é: por que fazer uma pós-graduação, seja no Brasil ou no exterior? Quem busca continuar estudando após terminar a faculdade geralmente está querendo aprimorar e atualizar seus conhecimentos para poder desempenhar melhor uma função profissional no futuro (ou até no presente). Atualmente, muitos recém-formados chegam ao mercado com uma sensação de vazio ou despreparo, tendo a impressão de que não aprenderam nada útil ou relevante durante a graduação. Alguns optam por ingressar direto numa pós-graduação para não quebrar o ritmo da vida acadêmica, outros preferem trabalhar um tempo para descobrir as áreas que mais os atraem e identificar possíveis deficiências em suas formações.

Qual tipo de pós-graduação escolher?

Existem diversos tipos de pós-graduação no mercado, desde mestrados profissionais a doutorados. Em nossa próxima postagem, faremos uma descrição mais detalhada de cada uma para lhe ajudar a escolher a que mais se identifica. De qualquer forma, é bom adiantar, uma coisa é certa: para fazer pós-graduação, tem que gostar de estudar.

Desisto!

Por que no exterior?

Infelizmente, em muitas áreas no Brasil, mestrado e doutorado não são muito valorizados por várias empresas, pois ainda têm um caráter predominantemente acadêmico, sendo mais voltados para quem pretende se tornar professor universitário ou prestar certos concursos para ingressar em outros empregos públicos. Aqui temos a primeira vantagem de se tentar uma pós-graduação no exterior: em diversos países, essa realidade é bastante diferente.

Nos EUA e na Europa, a academia e o ambiente corporativo não são dois mundos separados e independentes; muito pelo contrário, a maioria das universidades possui inúmeros projetos de pesquisa em parceria com empresas privadas, a fim de desenvolver tecnologias, produtos e serviços que sejam aplicáveis e viáveis. Isso ocorre porque grande parte das empresas brasileiras não têm um setor de Pesquisa e Desenvolvimento muito sólido, sendo que a maioria das novas tecnologias são apenas trazidas do exterior e adaptadas, mas não realmente criadas em solo nacional. Já no exterior, as profissões de pesquisador e cientista são intimamente ligadas ao mundo empresarial, não se restringindo aos laboratórios universitários.

Outro fator que atrai muitos estudantes a cursar um mestrado ou doutorado no exterior é o prestígio das instituições estrangeiras. Na maioria dos rankings internacionais , quase metade das 100 melhores universidades estão nos EUA, seguidas por instituições europeias e asiáticas. Ter no currículo uma faculdade dessas com certeza representa um diferencial enorme, mas não é interessante focar no título per se e se esquecer do que ele representa. Vários fatores fazem com que uma universidade tenha excelência, tais como: estrutura física, equipamentos e tecnologias disponíveis, nível dos professores e pesquisadores, produção científica, influência, produtividade e impacto das publicações, patentes, diversidade e atividades no campus, empregabilidade, recursos financeiros, entre outros. Ou seja, a causa de se embarcar numa aventura como essa é poder desfrutar de tudo isso ao máximo. O diploma será mera consequência.

Este é o Engineering Lab da UCR (University of California Riverside - http://ucrtoday.ucr.edu). Se você vê enxerga um parque de diversões, continue a leitura. Você está no lugar certo!

 

Existem ainda muitos outros benefícios em se estudar no exterior. O principal é vivenciar uma cultura diferente. Isso vai além de aprimorar um idioma estrangeiro: é possível entender como a sua área, a pesquisa e a ciência em geral são tratadas em outro país. O aluno compreenderá a rotina dentro e fora da universidade e discutirá com professores e colegas com diferente background cultural no mais alto nível. Terá a chance de conhecer e aplicar novos métodos e tecnologias, ou mesmo utilizar conceitos já existentes para solucionar outros problemas. Isso sem contar a possibilidade de viajar, conhecer novas pessoas e paisagens, experimentar novas comidas e sensações. Tudo isso torna o profissional mais criativo e inovador, que são características muito valorizadas pelo mercado.

Outras habilidades desenvolvidas são a comunicação, a liderança e a responsabilidade. Aqui a frase de ordem é “sair da zona de conforto”: o aluno não contará mais com a proximidade constante de velhos amigos e familiares, e terá que aprender a se virar sozinho num país com hábitos (e, quase sempre, idioma) completamente diferentes. Isso leva a um desenvolvimento pessoal inigualável. Lembrando que ele não irá lidar apenas com uma cultura nova, mas sim várias, visto que a maioria das universidades apresenta um grande quadro de alunos estrangeiros de diferentes partes do mundo. Além do aspecto cultural, muitos deles se tornarão futuros amigos e, algumas vezes, contatos profissionais. Eis aqui mais um motivo: o estabelecimento de um network profissional a nível mundial, que pode acabar promovendo inúmeras possibilidades de emprego no futuro.

Nem tudo são flores, Gafanhoto…

Apesar de toda essa experiência social, o aluno não deve esquecer que seu propósito no exterior é estudar. Para fazer um mestrado ou doutorado, é necessário gostar muito daquilo que se estuda e pesquisa, senão jamais conseguirá terminar o curso. É interessante ter a consciência de que nem tudo serão flores, que haverá momentos de estresse, de desavença, de tristeza e de solidão. E, principalmente, de saudades. Mas tudo isso será compensado pela motivação maior: a curiosidade. O senso de novidade irá impulsionar e inspirar o aluno a se dedicar e tentar sempre mostrar resultado, inclusive para orgulhar a universidade que nele depositou um voto de confiança ao aceitá-lo. Sobre o dinheiro, relaxe e lembre-se do clichê: se você amar o que gosta e fizer bem feito, você será reconhecido e o sucesso financeiro virá como consequência.

E então, jovem? Se você quis parar de ler na parte do “gostar de estudar”, desista enquanto é tempo. Talvez a sua área seja vender coco na praia investir em algo mais prático, ou fazer alguma especialização no seu país que não lhe afaste do mercado de trabalho. Agora, se você leu tudo isto e continua motivado, cara, clique aqui para continuar explorando o Abroaders e siga em frente. Ah, e boa sorte – você vai precisar.

studying-for-finals-just-kidding-i-need-to-pass.jpg